Slayer 
 Red Fang abrirá os trabalhos para o Slayer, em 11 de maio 

As  bandas também estão confirmadas no line up do Maximus Festival 2017, em São Paulo, no dia 13 de maio. Já confirmadas no Maximus Festival 2017, alguns dos maiores nomes do rock internacional aproveitarão sua passagem pelo Brasil em maio e se apresentarão em outra capital brasileira. A cidade escolhida foi Porto Alegre, que receberá shows de Slayer e Rob Zombie, além de Red Fang e Ghost, no Pepsi on Stage, na semana em que as bandas se apresentam também no Maximus Festival 2017, no dia 13 de maio, em São Paulo.

No dia 11 de maio, quem sobe ao palco do Pepsi on Stage é a banda Slayer, os titãs do thrash, que estão de volta com Repentless, seu 12º álbum de estúdio. Segundo a banda, foi o trabalho mais desafiador que já fizeram. A abertura será do Red Fang.

As duas bandas integram o line up do Maximus Festival 2017, que acontece em São Paulo, em Interlagos, em 13 de maio. Na segunda edição do Maximus Festival, você ainda poderá assistir outras 13 bandas: Linkin Park, Rob Zombie, Red Fang, Prophets of Rage, Rise Against, Böhse Onkelz, Five Finger Death Punch, Pennywise, Hatebreed, The Flatliners  e as bandas brasileiras, Nem Liminha Ouviu, Dead Fish e Oitão.

Ainda existem ingressos disponíveis. Para mais informações sobre o Maximus Festival 2017, confira o release completo.

Slayer
Slayer, os titãs do thrash, estão de volta com Repentless, 12º álbum de estúdio da banda e seu primeiro álbum para Nuclear Blast. Produzido por Terry Date, Repentless foi escrito e gravado pelo guitarrista Kerry King e pelo cantor e baixista Tom Araya, no Henson Studios, em Los Angeles, juntamente com o baterista Paul Bostaph e o guitarrista Gary Holt. Repentless é esmagador e brutal, recusando-se firmemente a atender ao mainstream. Foi também o disco mais desafiador que o Slayer já teve que fazer.

Com 34 anos de carreira, o Slayer continua sendo a banda preeminente do punk-thrash que ajudou a estabelecer o gênero e que as cabeças de metal continuam a reverenciar. O grupo foi cinco vezes nomeado ao Grammy, ganhando duas vezes como “metal juggernaut”, que escreve músicas que refletem o tumulto e aberrações da nossa sociedade.

Em 2013, o mundo lamentou a perda do guitarrista Jeff Hanneman, que morreu de complicações após dois anos doente. Jeff era cofundador da banda e sua perda foi muito difícil para os outros integrantes. Durante a doença, o guitarrista Holt entrou para ajudar em turnê com a bênção de Jeff e ficou. Nessa época, o baterista Dave Lombardo saiu do Slayer pela terceira vez e Paul Bostaph, que tocou com a banda de 1992 a 2001, voltou a assumir o trono.

Depois de duas décadas com American Recordings, Slayer encontrou uma nova casa com Nuclear Blast, a marca independente alemã conhecida por sua lista de metal.  Quando chegou a hora, o Slayer entrou no estúdio com o produtor Terry Date, primeiro produtor com quem a banda trabalhou desde que deixou o American, onde todos os seus álbuns foram produzidos por Rick Rubin.

Repentless marca o retorno do baterista Paul Bostaph, que estava extremamente entusiasmado. “Antes de eu estar na banda eu era um fã e só porque eu sou o baterista não significa que eu pare de ser um fã: isso só significa que os meus bilhetes são mais baratos. Depois que eu parti em 2002, eu nunca pensei que eu estaria sentado no trono da bateria com a banda novamente. É natural estar de volta e é bom estar de volta com Kerry e Tom. E nós estamos nos divertindo e eu acho que se não estivéssemos nos divertindo, não estaríamos fazendo isso.”

Repentless marca uma série de transições para a banda, mas com sua atitude incontestável, Slayer emerge triunfante, diz Tom. “Depois de 35 anos, a coisa que Kerry e eu compartilhamos é a nossa dedicação à banda, e Jeff está incluído nisso. É o mesmo com Gary. Ele faz isso há muito tempo e tem o mesmo compromisso. É um vínculo comum que compartilhamos com muitos músicos lá fora. Estou muito animado com o novo álbum, nós colocamos muito trabalho nisso, especialmente o Kerry, e era tudo para o Slayer”.

Repentless é repleto de músicas sensacionais, das explosões metálicas hiper-agressivas da faixa-título, “Take Control”, “Implode” e “Atrocity Vendor” para o feroz thrash batendo de “Vices”, “When The Stillness Comes” e “Pride In Prejudice”, o álbum é Slayer completo. Para Paul Bostaph é simples: “As músicas são incríveis.” Tom diz claramente: “Este é definitivamente o Slayer. Ninguém ficará desapontado com o que fizemos”. Para Kerry King, o sentimento é mútuo. “Musicalmente para mim – certamente não é um ‘eu te avisei’ porque Jeff não faz parte dele – mas eu sei que muitas pessoas pensaram que Slayer não seria funcional com Dave não estando aqui e Jeff nunca estando aqui novamente. Mas nós fizemos isso e parece o Slayer; ponto final.”

O lugar de Slayer na história da música é seguro como um dos Big Four (ao lado de Metallica, Megadeth e Anthrax): eles ajudaram a definir o gênero thrash-metal. Com Repentless, Kerry, Tom, Paul e Gary confirmam que Slayer é impossível de ser detido. O Slayer continua destemido, agressivo e sem contrição.

Red Fang
Desde a sua criação em 2005, a banda Red Fang, de Portland, esforçou-se para escrever uma música pesada e cativante subjacente com complexidades sutis. Fundada por David Sullivan, Maurice Bryan Giles, Aaron Beam e John Sherman, o grupo contou com um som distinto e completamente formado desde o início: uma mistura de composições de rock convincentes e a euforia do metal duro que fala igualmente com o headbanger, o hesher e o estudante da música. O ataque vocal de duas pontas da banda e o talento para encontrar os ganchos mais nítidos garantiram que o mundo da música os entendesse imediatamente. Em apenas um ano do primeiro show do Red Fang, eles estavam abrindo para as bandas Big Business e The Melvins, e logo começaram a aparecer em festivais, incluindo FYF, Fun Fun Fun Fest, Sasquatch Fest, entre outros.

Após o lançamento de sua estreia autointitulada, em Sargent House, em 2009, o Red Fang assinou contrato com a gravadora independente Relapse Records para o lançamento de seu segundo álbum de estúdio, Murder the Mountains, que atingiu o 25º lugar na lista dos Heatseekers, nos EUA, e recebeu grande aclamação da crítica. Red Fang promoveu o trabalho com uma série de datas em todo o mundo e, dois anos depois, lançou Whales and Leeches, que colocou a banda nas paradas da Billboard dos Estados Unidos pela primeira vez e obteve elogios da imprensa alternativa. O sucesso de Whales and Leeches os levou a uma aparição ao vivo no programa “Late Show com David Letterman”, em janeiro de 2014.

Além disso, Red Fang ganhou renome por seus vídeos musicais cômicos e inovadores dirigidos por Whitey MConnaughy, muitos dos quais se tornaram hits virais. No total, os vídeos da banda já contam com mais de 10 milhões de visualizações. Red Fang tem mais no circuito ao vivo também. Ao longo dos anos, já fizeram turnês com grandes artistas, como In Flames, Opeth, Mastodon, The Dillinger Escape Plan, Helmet e Crowbar, e apareceram em grandes festivais, incluindo Hellfest, Rockstar Mayhem Fest, Wacken, Roadburn e muitos outros. Em suas viagens, Red Fang tem realizado shows em todo o mundo, da América do Norte e América do Sul para a Europa, Rússia e Austrália.

Agora, depois de três anos de turnê pelo mundo, a banda está pronta para voltar ao palco com seu último e maior álbum, Only Ghosts. Produzido pelo legendário Ross Robinson (At The Drive In, The Cure, Slipknot, entre outros) e mixado por Joe Barresi (Queens of the Stone Age, Kyuss, Melvins), Only Ghosts é composto por 10 novas faixas com a assinatura da banda: muito hard rock. O Red Fang prova mais uma vez que são compositores de primeira linha, que dominaram o rock pesado sem se levar muito a sério. Only Ghosts é um álbum de rock de incrível magnitude, que exige ser tocado no volume máximo!